Portal do Governo Brasileiro
Página InicialInformações ao ConsumidorProdutos AnalisadosAbsorventes Higiênicos (Externos e Intravaginais)
Produtos analisados
Relatório análise de ferramentas elétricas, furadeira elétrica com função de impacto e serra tico-tico. Relatório análise de ferramentas elétricas, furadeira elétrica com função de impacto e serra tico-tico.
Fique Atento
  
.: Absorventes Higiênicos (Externos e Intravaginais) :.

Resumo da Análise
Normas e Documentos de Referência
Laboratório Responsável pelos Ensaios
Marcas Analisadas
Ensaios Realizados
Conclusões
Conseqüências

Resumo da Análise

A utilização de produtos similares aos absorventes higiênicos remonta à época da grande civilização egípcia, quinze séculos A.C.. Hipócrates, que viveu entre os anos de 460 e 370 A.C., citava, em seus manuscritos, uma proteção para ser usada intravaginalmente.

Durante milhares de anos, os métodos de proteção menstrual não evoluíram. Até a I Guerra Mundial, era comum o uso das "toalhas higiênicas" que, após o uso, eram lavadas e reutilizadas. Elas eram produzidas com tecido atoalhado, grossas, largas e causavam irritação. Havia outros inconvenientes relacionados à manutenção da higiene pessoal da mulher, como a praticidade para substituí-las.

A evolução dos absorventes seguiu um caminho natural de aperfeiçoamento. Atualmente, os absorventes consistem de um material para absorção de origem vegetal; uma camada de filme plástico impermeável para evitar vazamentos; um papel absorvente para dar firmeza e ajudar na distribuição rápida e homogênea do fluxo menstrual e uma abertura de material não-tecido para manter a integridade do produto e auxiliar na absorção, impedindo o acúmulo de líquido na parte superior.

Embora o primeiro absorvente descartável tenha aparecido no Brasil nos anos 30, ainda hoje, apenas 40% das mulheres brasileiras em idade fértil usam absorventes industrializados.

Segundo dados fornecidos pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos – ABIHPEC – o consumo de absorventes higiênicos fica em torno de 4 bilhões de unidades.

A inclusão deste produto no Programa de Análise da Qualidade de Produtos deve-se às reclamações recebidas pelo Inmetro, relacionadas à presença de material estranho, reações alérgicas ou ao desempenho do produto.

Normas e Documentos de Referência

Os ensaios verificaram a conformidade de amostras de absorventes higiênicos descartáveis, externos e intravaginais, em relação à Portaria nº 1.480, de 31 de dezembro de 1990, da Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde.

Esta Portaria prevê a realização de ensaios pré-clínicos (irritação cutânea e sensibilização), antes da colocação do produto no mercado, ou quando ocorrem mudanças nas matérias-primas, ou no processo de fabricação e de ensaios para controle de fabricação, onde todas as matérias e produtos acabados devem ser analisados de acordo com métodos capazes de aferir sua inocuidade.

Embora grande parte das reclamações estivessem relacionadas ao desempenho do produto, não foram identificadas normas ou regulamentos, nem no Brasil, nem no exterior, contendo especificações técnicas para este tipo de produto, impossibilitando, portanto, a realização de ensaios desta natureza.

Laboratório Responsável pelos Ensaios

Os ensaios foram efetuados no Laboratório Baktron Microbiologia.

Marcas Analisadas

Com relação às informações contidas na homepage sobre o resultados dos ensaios, você vai observar que identificamos as marcas dos produtos analisados apenas por um período de 90 dias. Julgamos importante que você saiba os motivos:

  • As informações geradas pelo Programa de Análise de Produtos são pontuais, podendo ficar desatualizadas após pouco tempo. Em vista disso, tanto um produto analisado e julgado adequado para consumo pode tornar-se impróprio, como o inverso, desde que o fabricante tenha tomado medidas imediatas de melhoria da qualidade, como temos freqüentemente observado. Só a certificação dá ao consumidor a confiança de que uma determinada marca de produto está de acordo com os requisitos estabelecidos nas normas e regulamentos técnicos aplicáveis. Os produtos certificados são aqueles comercializados com a marca de certificação do Inmetro, objetos de um acompanhamento regular, através de ensaios, auditorias de fábricas e fiscalização nos postos de venda, o que propicia uma atualização regular das informações geradas.
  • Após a divulgação dos resultados, promovemos reuniões com fabricantes, consumidores, laboratórios de ensaio, ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnica e outras entidades que possam ter interesse em melhorar a qualidade do produto em questão. Nesta reunião, são definidas ações para um melhor atendimento do mercado. O acompanhamento que fazemos pode levar à necessidade de repetição da análise, após um período de, aproximadamente, de 1 ano. Durante o período em que os fabricantes estão se adequando e promovendo ações de melhoria, julgamos mais justo e confiável, tanto em relação aos fabricantes quanto aos consumidores, não identificar as marcas que foram reprovadas.
  • Uma última razão diz respeito ao fato de a INTERNET ser acessada por todas as partes do mundo e informações desatualizadas sobre os produtos nacionais poderiam acarretar sérias conseqüências sociais e econômicas para o país.

 

Ensaios Realizados

Foram compradas 06 (seis) embalagens de cada marca de absorvente, 02 (duas) de cada lote de fabricação. Três embalagens, uma de cada lote, foram utilizadas para a realização dos ensaios e as demais foram guardadas para contraprova, caso o fabricante contestasse os resultados e fornecesse dados tecnicamente convincentes que determinassem a sua repetição.

As amostras foram submetidas a ensaios microbiológicos, que avaliaram a conformidade do produto em relação aos seguintes parâmetros:

Absorventes Higiênicos Externos

  • Contagem de Bactérias Aeróbias Mesófilas: menor que 1.000 UFC por grama de amostra
  • Contagem de Bolores e Leveduras: menor que 100 UFC por grama de amostra
  • Pesquisa de Staphylococcus Aureus: ausência em 5g
  • Pesquisa de Escherichia Coli: ausência em 5g
  • Pesquisa de Pseudomonas Aeruginosa: ausência em 5g
  • Pesquisa de Clostridium sp: ausência em 5g
  • Pesquisa de Clostrídios Sulfito-Redutores: ausência em 5g

Absorventes Higiênicos Intravaginais

  • Pesquisa de Staphylococcus Aureus: menor que 500 UFC por unidade do produto
  • Pesquisa de Escherichia Coli: menor que 500 UFC por unidade do produto
  • Pesquisa de Pseudomonas Aeruginosa: menor que 500 UFC por unidade do produto
  • Pesquisa de Microorganismos Anaeróbicos: menor que 500 UFC por unidade do produto

O ensaio microbiológico é realizado a fim de aferir a inocuidade do produto, fornecendo indicativos a respeito das condições higiênico-sanitárias de fabricação, através da pesquisa de bactérias patogênicas e, portanto, nocivas à saúde das mulheres.

Todas as marcas analisadas foram consideradas Conformes.

Conclusões

Os resultados observados evidenciam que a tendência dos Absorventes Higiênicos, externos e intravaginais, de uso normal, disponíveis no mercado brasileiro, é de estarem conforme em relação aos padrões microbiológicos existentes para essa classe de produto.

Todas as 13 (treze) marcas analisadas obtiveram resultados satisfatórios, ou seja, as amostras analisadas não oferecem risco microbiológico às usuárias.

Entretanto, apenas o ensaio microbiológico não é suficiente para garantir a inocuidade do produto. O ideal é que ensaios que verificam o potencial de irritabilidade dos Absorventes Higiênicos fossem realizados.

Além disso, o desempenho dos Absorventes quanto à sua estanqueidade (vazamento) e ao seu poder de absorção não pôde ser verificado por não existirem Normas que estabelecessem parâmetros para a sua avaliação.

O Inmetro deverá articular-se com a ABIHPEC e com a ABNT para, em conjunto, fornecer subsídios técnicos para o aprimoramento da Portaria e estudar a possibilidade da criação de Normas que avaliem o desempenho destes produtos.

Conseqüências  

DATA

AÇÕES

29/04/98

Reunião com representantes da Associação Brasileira da Indústria de Produtos de Higiene, Perfumaria e Cosméticos - ABIHPEC e do INMETRO para discussão dos resultados obtidos e estabelecimento de possíveis ações de desmembramento.

 

Acessibilidade
Acidente de Consumo: relate seu caso
Alerta Exportador!
Anuência - Importação
Atividades de Ensaios de Proficiência do Inmetro
Biocombustíveis
Carta de Serviços ao Cidadão
Cartilha Plugues e Tomadas
Consultas Públicas
Documentos Orientativos sobre Certificação ISO 9001:2008
Empresas Certificadas ISO 9001/14001
Indique! Sugestão para o Programa de Análise de Produtos
Instaladores Registrados de Gás Natural Veicular (GNV)
Mapa de Localização do Campus
Marca, Símbolos e Selos Inmetro
Organismos de Certificação e de Inspeção Acreditados
Ouvidoria
Padronização de Produtos Pré-Medidos
Plugues e Tomadas
Portarias e Regulamentos Técnicos Metrológicos e de Avaliação da Conformidade
Produtos Analisados
Produtos e Serviços com Conformidade Avaliada
Programa Brasileiro de Avaliação da Conformidade - PBAC
Publicações
Sistema de Consulta de Recalls (DPDC)
Tabelas de Eficiência Energética - PBE


Nossos Endereços

  • Rio de Janeiro
    PABX: (21) 2563-2800
    Rua Santa Alexandrina, 416
    Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ
    CEP: 20261-232

  • Campus Xerém
    PABX: (21) 2679-9001
    Av. Nossa Senhora das Graças, 50
    Xerém - Duque de Caxias - RJ
    CEP: 25250-020

  • Superintendência de Goiás - Surgo
    PABX: (62) 3237-3500
    Rua 148, s/n
    Setor Sul - Goiânia - GO
    CEP: 74170-110

  • Superintendência do R. G. do Sul - Surrs
    PABX: (51) 3342-1155
    Av. Berlim, 627
    São Geraldo - Porto Alegre - RS
    CEP: 90240-581

  • Brasília
    PABX: (61) 3340-1710
    Setor de Indústrias Gráficas - Quadra 1, lote 985, 1º andar, Edifício Centro Empresarial Parque Brasília
    Brasília - DF
    CEP: 70610-410

Inmetro © 1993 - 2012. Todos os direitos reservados. Ícones de mídias sociais feitos por SimpleIcon from www.flaticon.com licenciado por CC 3.0 BY