Portal do Governo Brasileiro

115° Encomex

  

NOTICIAS

2nd International Convention on Sustainable Trade and Standards
2ª Convenção Internacional de Comércio e Normas Voluntárias de Sustentabilidade

When/Quando:
September, 16-18, 2019, Rio de Janeiro - RJ
16 a 18 de setembro de 2019, Rio de Janeiro - RJ

Site:
http://www4.inmetro.gov.br/eventos/convencao-internacional-de-sustentabilidade
http://www4.inmetro.gov.br/eventos/2nd-international-convention-on-sustainable-trade

Workshop de lançamento da Plataforma Brasileira de Normas Voluntárias de Sustentabilidade:

Dia 31 de maio de 2017, CNI, Brasília.

Dia 01 de junho de 2017, FIESP, São Paulo.

Programação

Apresentações realizadas e fotos

RESULTADOS

Publicações

Cadernos de normas voluntárias de sustentabilidade (Vol.1)

3rd Flagship Report of the United Nations Forum on Sustainability Standards (UNFSS)

Cadernos de normas voluntárias de sustentabilidade (Vol.2)

TD 497 CCGI 12 Barreiras no Comercio Internacional Normas Tecnicas e Normas de Sustentabilidade as Novas e Velhas Regras de Certificacao

Registro de reuniões

1ª Reuniao Plataforma Brasileira de NVS Fiesp 29.08.17

2ª Reuniao Plataforma Brasileira de NVS Inmetro 24.10.17

3ª Reuniao da Plataforma Brasileira de NVS Fiesp 27.04.18

Eventos

PLATAFORMA BRASILEIRA DE NORMAS VOLUNTÁRIAS DE SUSTENTABILIDADE

A Plataforma Brasileira de Normas Voluntárias de Sustentabilidade foi criada para ser um Centro de Referência no País para as discussões sobre as Normas Voluntárias de Sustentabilidade – NVS ou Voluntary Sustainability Standards – VSS, em inglês, também conhecidas como Padrões Privados ou Private Standards, em inglês. Conheça outros objetivos da plataforma:

  • Mapear as VSS que afetam a economia brasileira, o mercado doméstico e o acesso a mercados externos;
  • Ser um centro de discussão e promoção de eventos sobre a matéria;
  • Coletar, discutir e preparar estudos sobre o impacto das VSS na economia e nas exportações brasileiras;
  • Desenvolver sugestões para políticas nacionais proativas sobre a maximização de efeitos positivos econômicos, sociais e ao meio ambiente, assim como, limitar os custos e problemas das VSS;
  • Gerar conhecimento sobre o tema para os atores relevantes dos setores público e privado afetados pelas VSS;
  • Ser capaz de mobilizar e juntar um número considerável de atores interessados e propiciar um meio para que trabalhem juntos em iniciativas desenvolvidas pela plataforma;
  • Analisar e comparar experiências nacionais sobre melhores práticas e em políticas proativas adequadas desenvolvidas por outras plataformas nacionais.

O INMETRO E A PLATAFORMA BRASILEIRA

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) é responsável por diferentes atividades no sistema da qualidade brasileiro. O Inmetro exerce tanto as atividades de metrologia científica e industrial como as de metrologia legal. Além disso, é também o Organismo Nacional de Acreditação e tem competência para implementar regulamentos técnicos de qualidade e de avaliação da conformidade para muitos produtos e setores produtivos.

O Inmetro atua, ainda, como Ponto Focal Brasileiro para o Acordo sobre Barreiras Técnicas da Organização Mundial do Comércio (OMC) e o Ponto de Contato para o Programa Conjunto de Normas de Alimentos (Codex Alimentarius) da Organização para Alimentos e Agricultura das Nações Unidas (FAO) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Nesta condição, desenvolve uma ampla gama de serviços para empresas brasileiras para superar barreiras técnicas ao comércio, assim como, desempenha muitas das obrigações do país junto à OMC tais como a notificação de regulamentos técnicos emitidos pelas Agências Reguladoras do Brasil e as respostas aos questionamentos feitos por interessados brasileiros e do exterior sobre os regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da conformidade brasileiros.

O Inmetro exerce também a Secretaria Executiva do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro), assim como, de alguns comitês assessores deste conselho, tais como: o Comitê Brasileiro de Barreiras Técnicas ao Comércio (CBTC), de Regulamentação (CBR), de Metrologia (CBM), de Avaliação da Conformidade (CBAC), de Normalização (CBN) e do Codex Alimentarius (CCAB).

O Comitê Brasileiro de Barreiras Técnicas ao Comércio (CBTC) será uma peça-chave para as atividades da Plataforma Brasileira apoiada pelo Fórum das Nações Unidas sobre Normas de Sustentabilidade (UNFSS), já que reúne regularmente representantes relevantes de importantes organizações públicas e privadas preocupadas com o impacto de regulamentos técnicos estrangeiros sobre as exportações brasileiras. Por essa mesma razão, as atividades do UNFSS também podem ser relevantes para o Comitê do Codex Alimentarius do Brasil (CCAB).

Responsável por todas as funções mencionadas, o Inmetro e o CBTC têm atuação fundamental no Sistema Brasileiro da Qualidade e uma relação permanente e profunda com as entidades mais importantes e interessadas, sejam do setor público ou privado, na área de atuação do UNFSS.

FORUM DAS NAÇÕES UNIDAS

UNFSS

(Texto extraído do: “Draft Project Document United Nations Forum on Sustainability Standards (UNFSS) atividades prioritárias no período de 2016-2019”)

O Fórum das Nações Unidas sobre Normas de Sustentabilidade (UNFSS, em inglês) é uma iniciativa conjunta da Organização para Alimentos e Agricultura das Nações Unidas (FAO, em inglês), do Centro de Comércio Internacional (ITC, em inglês), da Conferência sobre Comércio e Desenvolvimento das Nações Unidas (UNCTAD, em inglês), do Programa para o Meio Ambiente das Nações Unidas (UNEP, em inglês) e da Organização para Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas (UNIDO, em inglês).

O UNFSS é o primeiro fórum intergovernamental emergente para a discussão das VSS. Seu objetivo é promover o diálogo sobre abordagens estratégicas para desenvolvimento de políticas nacionais, das experiências nacionais e suas questões de meta-governança.

O Fórum foi estabelecido para servir de plataforma para o desenvolvimento de um programa coerente de políticas públicas e iniciativas privadas na produção de VSS (e nos estágios de desenvolvimento das normas e de implementação) trabalhando para: (i) atingir objetivos específicos de sustentabilidade dos países em desenvolvimento, incluindo redução da pobreza, uso sustentável de recursos naturais e serviços do ecossistema; (ii) facilitar o acesso a mercados no exterior; (iii) promover a inovação e aumentar a produtividade; (iv) reduzir os obstáculos potenciais de desenvolvimento e de acesso a mercados, assim como, (v) evitar custos proibitivos relacionados a conformidade com as VSS.

Assumindo que os VSS podem ter uma importante contribuição para a transformação sustentável do mercado, também é necessário entender os mais fundamentais condutores e barreiras para os VSS absorvidos pelos produtores e consumidores e os fatores críticos de sucesso para a popularização destas normas.

https://unfss.org/home/national-multi-stakeholder-platform/

NORMAS VOLUNTÁRIAS DE SUSTENTABILIDADE

As Normas Voluntárias de Sustentabilidade - NVS não são um fenômeno novo, nem uma abordagem nova para aumentar os impactos ao comércio ou restringir acesso a mercados. Desde as primeiras negociações relacionadas com requisitos técnicos e seus efeitos sobre o comércio, como às da Rodada Tóquio durante os anos 70, a discussão sobre padrões privados tem evoluído, algumas vezes de forma menos, outras vezes de forma mais explícita.

O que não parece tão claro é o efeito real dessas normas sobre o comércio internacional e, especialmente, sobre as exportações de países em desenvolvimento. Estudos mostram que a maioria das VSS são desenvolvidas por vários atores em países desenvolvidos e contribuem crescentemente no acesso ao mercado destes países.

Outra questão importante e que permanece não esclarecida está relacionada com as regras ou acordos internacionais que podem ser aplicados para enquadrar ou fornecer incentivos e desincentivos para estas normas, se houver algum, e qual o nível de responsabilidade que tem os governos sobre as VSS desenvolvidas dentro de seus territórios e seus efeitos sobre o comércio internacional.

Um grande esforço foi feito pelos países em desenvolvimento em fóruns internacionais, tais como a Organização Mundial do Comércio, para trazer estas normas para a órbita das regras da organização, mas pode-se observar que não foram alcançados muitos resultados concretos para esses esforços.

Existem alguns relatórios que concluem que as VSS podem realmente facilitar o comércio. Existem, ainda, argumentos que defendem a falta de regulamentação sobre tais normas, alegando que, neste sentido, as VSS podem ser mais inovadoras e, não havendo restrições à dinâmica do mercado, organizações não governamentais e empresas poderiam decidir sobre como e quais normas deveriam ser escolhidas e quais normas são as mais relevantes para seus negócios.

Ao mesmo tempo, possíveis aspectos negativos destas normas são relacionados com a proliferação das mesmas, a falta de interoperabilidade e os custos relativamente altos de múltiplas certificações; a geração de confusão para os produtores e consumidores; a marginalização de pequenos produtores, assim como, de países menos desenvolvidos; como também ressaltam a falta de capacidade; a falta de participação adequada dos produtores de países em desenvolvimento no processo de preparação/revisão das normas; e a falta de informação sobre a necessidade científica; justificação e os dados científicos relativos ao desenvolvimento das VSS, entre outros.

Outro item importante relacionado às VSS é o espaço deixado nos países para o desenvolvimento de políticas industrial e setorial. Enquanto um número de VSS tendem a estimular o progresso tecnológico, aumentar a competitividade e atrair investimento estrangeiro direto, podendo facilitar assim mudanças estruturais e transformacionais, este não parece ser o caso geral. Contra este cenário, é pertinente estudar e avaliar o espaço para políticas e como as VSS podem facilitar e apoiar a industrialização e mudanças estruturais concomitantes.

Resumindo, acredita-se que estas normas técnicas realmente afetam o comércio internacional de algum modo e em muitos casos os exportadores (pequenos ou grandes produtores) de países em desenvolvimento como o Brasil que têm que se adaptar e cumprir com os requisitos destas normas se desejam exportar para países desenvolvidos.

Enquanto continua a discussão sobre se a matéria necessita de uma regulação internacional, sobre o modo no qual essas normas são desenvolvidas e implementadas, a base científica usada, a legitimidade dos desenvolvedores, e o apoio recebido por eles dos governos nacionais, também é importante, ao mesmo tempo, fornecer suporte técnico e informação apropriada para os produtores nacionais sobre estas normas e as regras necessárias de serem cumpridas, assim como, fortalecer a capacidade dos governos para lidarem proativamente, baseados em políticas bem informadas sobre a matéria.

CONTATO

Rogerio de Oliveira Corrêa
rocorrea@inmetro.gov.br
Telefone:+(55) 21 2563-2963

Dolores Teixeira de Brito
dtbrito@inmetro.gov.br
Telefone:+(55) 21 2563-2963

PARCEIROS

Food and Agriculture Organization of the United Nations
International Trade Centre
United Nations Environmental Programme
United Nations Industrial Development Organization
       
United Nations Conference on Trade and Development
Deutsches Institut für Entwicklungspolitik

Alerta Exportador!
Biblioteca Online
Palestras do Workshop sobre REACH e GHS
Portarias e Regulamentos Técnicos Metrológicos e de Avaliação da Conformidade
Produção Intelectual
Publicações






Nossos Endereços

  • Rio de Janeiro
    PABX: (21) 2563-2800
    Rua Santa Alexandrina, 416
    Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ
    CEP: 20261-232

  • Campus Xerém
    PABX: (21) 2679-9001
    Av. Nossa Senhora das Graças, 50
    Xerém - Duque de Caxias - RJ
    CEP: 25250-020

  • Superintendência de Goiás - Surgo
    PABX: (62) 3237-3500
    Rua 148, s/n
    Setor Sul - Goiânia - GO
    CEP: 74170-110

  • Superintendência do R. G. do Sul - Surrs
    PABX: (51) 3342-1155
    Av. Berlim, 627
    São Geraldo - Porto Alegre - RS
    CEP: 90240-581

  • Brasília
    PABX: (61) 3340-1710
    Setor de Indústrias Gráficas - Quadra 1, lote 985, 1º andar, Edifício Centro Empresarial Parque Brasília
    Brasília - DF
    CEP: 70610-410

Inmetro © 1993 - 2012. Todos os direitos reservados. Ícones de mídias sociais feitos por SimpleIcon from www.flaticon.com licenciado por CC 3.0 BY