Portal do Governo Brasileiro
Página InicialInformações ao ConsumidorProdutos AnalisadosBenjamins
Fique Atento
  
.: Benjamins :.

Objetivo
Justificativa
Normas e Documentos de Referência
Marcas Analisadas
Laboratório Responsável pelos Ensaios
Ensaios Realizados e Resultados Obtidos
Resultado Geral
Posicionamento dos Fabricantes
Informações ao Consumidor
Conclusões
Divulgação


Objetivo

A apresentação dos resultados obtidos nos ensaios realizados em amostras de Benjamins consiste em uma das etapas do Programa de Análise de Produtos, coordenado pela Diretoria da Qualidade do Inmetro e que tem por objetivos:

  1. prover mecanismos para que o Inmetro mantenha o consumidor brasileiro informado sobre a adequação dos produtos e serviços aos Regulamentos e às Normas Técnicas, contribuindo para que ele faça escolhas melhor fundamentadas, levando em consideração outros atributos do produto além do preço, tornando-o mais consciente de seus direitos e responsabilidades;
  2. fornecer subsídios para a indústria nacional melhorar continuamente a qualidade de seus produtos, tornando-a mais competitiva;
  3. diferenciar os produtos disponíveis no mercado nacional em relação à sua qualidade, tornando a concorrência mais equalizada;
  4. tornar o consumidor parte efetiva deste processo de melhoria da qualidade da indústria nacional.

Deve ser destacado que as análises coordenadas pelo Inmetro, através do Programa de Análise de Produtos não têm caráter de fiscalização, e que esses ensaios não se destinam a aprovar marcas, modelos ou lotes de produtos. O fato das amostras analisadas estarem ou não de acordo com as especificações contidas em uma norma/regulamento técnico indica uma tendência do setor em termos de qualidade. Além disso, as análises têm caráter pontual, ou seja, são uma “fotografia” da realidade, pois retratam a situação do mercado naquele período em que as mesmas são conduzidas.

Justificativa

A análise realizada em amostras de adaptadores ou benjamins vai ao encontro das diretrizes do procedimento do Programa de Análise de Produtos, visto que é um produto de consumo intensivo pela população e cujas características estão relacionadas à segurança dos consumidores. A realização desta análise também tem como objetivo atender ao anseio dos consumidores que indicaram o produto, através do site do Inmetro, como sugestão para ser analisado.

A utilização de benjamins pela população cresceu muito, acompanhando a tendência de surgimento de eletrodomésticos variados e específicos para cada uso. A evolução deste setor atende ao novo perfil da sociedade, que busca a facilidade, a rapidez e a industrialização de atividades que antes eram realizadas manualmente, consumindo tempo e às vezes a dedicação das pessoas, como é o caso da dona de casa que numa cozinha possui, atualmente, eletrodomésticos específicos para cada alimento e cada função, como omeleteiras, aparelhos elétricos para descascar produtos, sanduicheiras, torradeiras, iogurteiras, etc. Mesmo fora da cozinha, temos que ter espaço para o “home theater”, para o DVD, para o aparelho de som, para o computador, para a impressora, para a copiadora, entre outros. Atualmente, a tendência é não termos mais pontos de energia elétrica ou “tomadas” disponíveis para atender a toda nossa demanda por aparelhos eletrodomésticos. Os projetos de instalação elétrica de uma casa ou apartamento contemplam, muitas das vezes, um ponto de energia por parede.

De acordo com esse perfil, as habitações, fora as construídas com base nos chamados projetos inteligentes, estão obsoletas em relação ao atual comportamento da sociedade, que utiliza vários eletrodomésticos ao mesmo tempo. A solução mais barata e rápida a qual os consumidores costumam recorrer é passar a utilizar os chamados benjamins ou adaptadores.

Não há estatísticas sobre a quantidade produzida deste produto, mas quase toda casa possui pelo menos um benjamim. Esses utensílios são bem úteis e muito utilizados. Entretanto, é importante que a população saiba como evitar situações que possam causar curto circuito ou uma sobrecarga na sua instalação elétrica e, ainda, que os pontos de energia comuns são dimensionados para suportar a energia elétrica de aparelhos com potências pequenas, na ordem de 200 W, se ficassem o tempo todo ligados (em funcionamento).

Como utilizamos alguns aparelhos por determinado tempo apenas, o fio da tomada suporta mais potência. Esses aparelhos chegam a possuir potências de até 600 Watts. Por isso, existem tomadas cujos fios são especialmente mais grossos1 , ou seja, que foram dimensionadas para suportar a potência do aparelho que ficará acoplado naquela tomada, como é o caso das tomadas de geladeiras, freezeres, aparelhos de microondas, entre outros.

É importante saber que, ao utilizarmos os benjamins, estamos somando as potências de todos os aparelhos que neles são acoplados, fazendo com que o fio da tomada fique sobrecarregado. Desta maneira, a utilização do benjamim não deve ser permanente. Caso isto ocorra, é importante que a instalação elétrica seja revisada por um eletricista habilitado para avaliar se o fio da instalação suporta a potência que está sendo imposta àquele circuito elétrico.

Segundo o Ministério da Saúde, os choques elétricos encontram-se entre as 03 (três) principais causas de mortes e seqüelas na faixa etária entre zero e quatorze anos no País. Depois vêm quedas, queimaduras, envenenamento químico, armas de fogo, ciclismo e envenenamento animal, portanto, é importante entender os ensaios realizados neste produto, bem como os riscos que ele pode causar devido ao mal uso por parte dos consumidores.

1 A seção nominal (espessura) de um fio é variável, dependendo da potência instalada no circuito. A título de ilustração, é interessante informar que a seção nominal de uma fiação elétrica residencial é de 2,5mm2.


Normas e Documentos de Referência

  • NBR 14936/2003 – Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo – Adaptadores –Requisitos Específicos;
  • NBR 6147/2000 – Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo – Especificação;

  • Portaria Inmetro nº 27, de 18 de fevereiro de 2000 – Dispositivos elétricos residenciais de baixa tensão;

  • Portaria Inmetro nº 136, de 04 de outubro de 2001 - Manter no âmbito do Sistema Brasileiro de Certificação - SBC, a certificação compulsória dos plugues e tomadas, para uso doméstico e análogo, para tensões de até 250V e corrente até 20A (Esta Portaria exclui os benjamins da certificação compulsória);

  • Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, do Ministério da Justiça (Código de Proteção e Defesa do Consumidor).


Laboratório Responsável pelos Ensaios

Os ensaios foram realizados pelo Laboratório de Eletro-Eletrônica - LABELO, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. O laboratório é acreditado pelo Inmetro para a realização de ensaios laboratoriais em diversos produtos elétricos.

Marcas Analisadas

A análise foi precedida por uma pesquisa de mercado realizada em 05 estados pelos órgãos delegados do Inmetro que compõem a Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade, ou seja, os Institutos de Pesos e Medidas Estaduais (IPEMs). Os estados responsáveis pela pesquisa foram: Bahia, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Sergipe e São Paulo.

De modo a simular a compra feita pelo consumidor, foram adquiridos, entre março e maio de 2005, 40 benjamins de cada marca selecionada. O Inmetro comprou marcas consideradas tradicionais e líderes de mercado, assim como outras de menor participação, fabricadas por empresas de médio e pequeno porte. Não foram encontradas marcas importadas.

A tabela a seguir relaciona os fabricantes e as marcas que tiveram amostras de seus produtos analisados, bem como a origem e os locais onde foram encontrados:

 

Marcas

Fabricante

Preço

Origem

Locais da compra

A

Fabricante A

R$1,30

BA


Cerqueira Gonçalves e

Cia Ltda.

B

Fabricante B

R$1,30

MS

Paulistão 1001 Novidades

C

Fabricante C

R$1,56

RO

Ronsy Importação e Exportação Ltda.

D

Fabricante D

R$1,49

BA

Painel Avenida

E

Fabricante E

R$2,07

SE

Hiper Sales Construção

F

Fabricante F

R$1,91

SP

C&C Casa e Construção

G

Fabricante G

R$2,25

SP

C&C Casa e Construção

H

Fabricante H

R$1,50

SE

Mendonça Material Hidráulico e Ferragens

I

Fabricante I

R$1,50

RO

Jaó Materiais de Construção Ltda.

J

Fabricante J

R$1,11

SE

Betosul Distribuidora e Atacadista Ltda.

L

Fabricante L

R$1,54

RO

Jaó Materiais de Construção Ltda.

M

Fabricante M

R$2,30

MS

Eletrica Zan Ltda.

N

Fabricante N

R$3,00

SP

Comercial de Vita Ltda

O

Fabricante O

R$2,50

RO

Mariano Materiais de Construção Ltda.

P

Fabricante P

R$1,58

RO

Caiari Materiais de Construção

Notas: De acordo com o art. 18 do Código de Proteção e Defesa do Consumidor, o estabelecimento de venda também é responsável pelo produto oferecido ao consumidor;

Ensaios Realizados e Resultados Obtidos

Foram realizados os ensaios previstos na legislação técnica vigente, sendo que foram priorizados os ensaios que avaliam requisitos que oferecem mais riscos à saúde e segurança do usuário. Antes de listarmos os ensaios realizados, esclareceremos algumas definições técnicas, para maior compreensão deste relatório:

  • Corrente Nominal: é corrente informada pelo fabricante, especificada em Ampères (A);

  • Potência Nominal: é a potência consumida pelo aparelho, informada pelo fabricante, especificada em Watts (W);

  • Tensão Nominal: é a tensão ou diferença de potencial informada pelo fabricante, especificada em Volts (V);

  • Partes Vivas: partes que conduzam corrente elétrica, ou seja, onde o usuário pode sofrer choque elétrico caso encoste nelas.

  • Material isolante: material que não conduz corrente elétrica, ou seja, não é condutor.

  • Tomada: acessório que possui contatos projetados para receber os pinos de um plugue. É a parte do benjamim que receberá o plugue de um aparelho que o usuário deseja conectar, parte, também conhecida como “fêmea” do benjamim.

  • Plugue: acessório munido de pinos projetados, que serão introduzidos nos contatos de uma tomada.

 

Figura 1: escopo de um benjamim.

A seguir são relacionados os ensaios realizados, bem como os resultados obtidos.

    1. Marcações e Indicações
    2. Os benjamins devem trazer inscritos em seu corpo, de forma clara, as seguintes marcações e indicações: corrente nominal, tensão nominal, símbolo da natureza da corrente, nome do fabricante, a potência nominal e a marcação da potência máxima suportada pelo benjamim.

      Informaremos, na tabela abaixo, as não conformidades encontradas em cada uma das marcas analisadas.

Marca

Resultado

A

Não Conforme

B

Não Conforme

C

Não Conforme

D

Não Conforme

E

Conforme

F

Não Conforme

G

Não Conforme

H

Não Conforme

I

Não Conforme

J

Conforme

L

Não Conforme

M

Conforme

N

Não Conforme

O

Não Conforme

P

Não Conforme

 

Resultados: Das 15 marcas analisadas, 12 foram consideradas Não Conformes neste ensaio, com pelo menos uma Não Conformidade. São elas: Alumbra, Cerge, Decorlux, Enerbrás, Ingemag, Iriel, Lorenzetti, Lousano, Perlex, Steinel, Tramontina e Walma.

  • Proteção contra choques elétricos

 

Os adaptadores ou benjamins devem ser projetados de modo que não permitam que o usuário encoste nas partes vivas, mesmo após a remoção de partes destacáveis ou caso o benjamim seja inserido apenas parcialmente na tomada. O benjamim também é submetido a ensaios de temperatura e é verificado se o material que envolve o benjamim é isolante.

Este ensaio verifica se há a possibilidade do usuário sofrer algum tipo de risco a choques elétricos (mesmo se ele instalar o adaptador de forma incorreta na tomada).

Marca

Resultado

A

Não Conforme

B

Não Conforme

C

Não Conforme

D

Não Conforme

E

Não Conforme

F

Não Conforme

G

Não Conforme

H

Não Conforme

I

Não Conforme

J

Não Conforme

L

Não Conforme

M

Não Conforme

N

Não Conforme

O

Não Conforme

P

Não Conforme

Resultados: Todas as marcas analisadas foram consideradas Não Conformes neste ensaio, com pelo menos uma Não Conformidade.

  • Aquecimento

Este ensaio verifica se o contato do adaptador se aquece quando em contato com aparelhos elétricos de carga compatível com sua potência. A elevação de temperatura dos contatos do adaptador não pode ser superior a 45ºC.

O aquecimento excessivo do benjamim pode acarretar a perda de isolamento, já que o material isolante pode perder sua capacidade de evitar choques elétricos e curto-circuito.

Marca

Resultado

A

Conforme

B

Não Conforme

C

Conforme

D

Não Conforme

E

Conforme

F

Conforme

G

Conforme

H

Conforme

I

Conforme

J

Conforme

L

Conforme

M

Conforme

N

Não Conforme

O

Conforme

P

Conforme


Resultados: Das 15 marcas analisadas, 03 foram consideradas Não Conformes neste ensaio, com pelo menos uma Não Conformidade.
São elas: marca B, marca D e marca N.

  • Funcionamento normal

Este ensaio simula a vida útil do adaptador, prevendo que os adaptadores devem suportar, durante sua utilização, esforços mecânicos, elétricos e térmicos, sem contudo causar qualquer dano que ponha em risco a segurança do consumidor.

Após a realização do ensaio, os benjamins não devem apresentar desgaste, deterioração, folgas ou escorrimento de qualquer material constituinte.

Marca

Resultado

A

Não Conforme

B

Não Conforme

C

Não Conforme

D

Não Conforme

E

Não Conforme

F

Não Conforme

G

Não Conforme

H

Não Conforme

I

Não Conforme

J

Não Conforme

L

Não Conforme

M

Não Conforme

N

Não Conforme

O

Não Conforme

P

Não Conforme

      Resultados: Todas as marcas analisadas foram consideradas Não Conformes neste ensaio, com pelo menos uma Não Conformidade.

      Obs: De acordo com a norma, a realização deste ensaio está condicionada à Conformidade nos ensaios de aquecimento e/ou capacidade de interrupção, ou seja, caso o benjamim tenha obtido Não Conformidade nestes ensaios, o ensaio de funcionamento normal sequer será realizado.


    1. Resistência ao calor

Neste ensaio, o benjamim é aquecido e verifica-se se o corpo do adaptador não se deforma a ponto de apresentar risco de choque elétrico ao consumidor.

Marca

Resultado

A

Conforme

B

Não Conforme

C

Não Conforme

D

Conforme

E

Conforme

F

Conforme

G

Conforme

H

Conforme

I

Conforme

J

Conforme

L

Conforme

M

Conforme

N

Não Conforme

O

Conforme

P

Conforme

Resultados: Das 15 marcas analisadas, 03 foram consideradas Não Conformes neste ensaio, com pelo menos uma Não Conformidade. São elas: marca B, marca C e marca N.

6.6. Resistência do material isolante ao calor anormal, ao fogo e ao trilhamento

As partes de material isolante (corpo do adaptador) são suscetíveis de serem submetidas a altas temperaturas de origem elétrica, como curto-circuito e sobrecarga, por isso devem ser capazes de não propagar o fogo, impossibilitando assim o risco de incêndio.

A amostra é submetida a um fio incandescente aquecido eletricamente à temperatura de 750ºC. Durante o processo e nos 30 segundos posteriores a amostra não deve inflamar nem gotejar material isolante.

Obs: A temperatura considerada anormal é a de 750º C, temperatura adequada para a análise de termoplásticos, material de composição do corpo dos benjamins.

Marca

Resultado

A

Conforme

B

Conforme

C

Conforme

D

Conforme

E

Conforme

F

Não Conforme

G

Conforme

H

Conforme

I

Conforme

J

Não Conforme

L

Não Conforme

M

Não Conforme

N

Não Conforme

O

Conforme

P

Não Conforme

Resultados: Das 15 marcas analisadas, 06 foram consideradas Não Conformes neste ensaio, com pelo menos uma Não Conformidade. São elas: marca F, marca J, marca L, marca M, marca N e marca P.

Resultado Geral

A tabela apresentada a seguir descreve os resultados obtidos pelas amostras de cada uma das marcas analisadas de Benjamim.

Marcas

Marcas e Indicações

Proteção contra choques elétricos

Aquecimento

Funcionamento normal

Resistência ao calor

Resistência do material isolante

Resultado
Geral

A

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

B

Não Conforme

Não
Conforme

Não Conforme

Não
Conforme

Não Conforme

Conforme

Não Conforme

C

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Não Conforme

Conforme

Não Conforme

D

Não Conforme

Não
Conforme

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

E

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

F

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não Conforme

Não Conforme

G

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

H

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

I

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

J

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não Conforme

Não Conforme

L

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não Conforme

Não Conforme

M

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não Conforme

Não Conforme

N

Não Conforme

Não
Conforme

Não Conforme

Não
Conforme

Não Conforme

Não Conforme

Não Conforme

O

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Conforme

Não Conforme

P

Não Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não
Conforme

Conforme

Não Conforme

Não Conforme

 

Posicionamento dos Fabricantes

Após a conclusão dos ensaios, os fabricantes/importadores que tiveram amostras de seus produtos analisadas receberam cópias dos laudos de seus respectivos produtos, enviadas pelo Inmetro, tendo sido dado um prazo de 10 (dez) dias úteis para que se manifestassem a respeito dos resultados obtidos.

A seguir, são relacionados os fabricantes/importadores que se manifestaram formalmente, através de faxes enviados ao Inmetro, e trechos de seus respectivos posicionamentos:

 

  • Fabricante A (Marca: A)
  •  

"Após a análise no conteúdo dos relatórios, verificamos que o nosso produto apresentou não conformidade em alguns itens da NBR 14936/03. Para sanar essas não conformidades, a Alumbra irá se basear na nova padronização das tomadas (NBR 14936), onde será necessário desenvolver um novo adaptador para atendê-la".

 

  • Fabricante G (Marca: G)
  •  

"Com relação as não conformidades apresentadas, cabe ressaltar que o produto em questão, conhecido como benjamim ou adaptador tipo "T", foi projetado pela empresa em 2002, tendo sua comercialização iniciada quando ainda não havia uma normatização para a produção do mesmo.

Em abril de 2003, entrou então em vigor a NBR 14936 (plugues e tomadas para uso doméstico e análogo –adaptadores, requisitos específicos). Esta norma foi desenvolvida para o novo padrão de tomadas . Desta forma, as não conformidades encontradas , inerentes da diversidade de configurações dos plugues e tomadas existentes atualmente no mercado, serão resolvidas com a evolução prevista para as tomadas brasileiras".

 

  • Fabricante O. (Marca: O)

  •  

"Em resposta à correspondência enviada, informamos que a Tramontina fabrica mais de 16 mil produtos, obedecendo normas e regulamentos técnicos. Problemas pontuais, tão logo sejam verificados, serão imediatamente sanados. Para o caso, as providências já foram tomadas".

 

  • Fabricante B (Marca: B)

  •  

"A empresa Cerge encontra-se em fase final de certificação para homologação dos seus produtos compulsórios, salientando que os produtos coletados e ensaiados já sofrerão modificações para se adequarem aos requisitos normativos informados pelo Inmetro".

 

  • Fabricante J (Marca: J)

  •  

"As peças testadas pelo Inmetro correspondem ao modelo de concepção tradicional, comum a todos os modelos existentes no mercado, sendo que todos têm pontos fortes e fracos em comum. Salientamos que o nosso produto é produzido com material nobre de ótima qualidade e que, embora tenha estas não conformidades apontadas, estas são comuns a todos os modelos de outros fabricantes. O nosso novo modelo de adaptador "pino três saídas" atende perfeitamente a todos os requisitos das NBR 6147 e NBR 14936".

  • Fabricante P (Marca: P)

  •  

"Referente aos relatórios de ensaio enviados, informamos que o produto ensaiado não é mais fabricado pela empresa e que o produto substituto está sendo adaptado à norma NBR 14136".

  • Fabricante C (Marca: C)

  •  

"Estamos cientes dos resultados apresentados nos laudos remetidos à nossa empresa e queremos informar que estamos alterando o produto junto ao fabricante para que o mesmo apresente –se dentro das normas do Inmetro.

Salientamos também que há mais de um ano estamos trabalhando no processo de certificação de toda a nossa linha de produtos, sabemos que é um processo trabalhoso e de elevado custo, mas o objetivo será alcançado, onde todos os produtos da Decorlux terão o selo do Inmetro, confirmando a conformidade com a norma respectiva de cada produto".

  • Fabricante E (Marca: E)

  •  

"O adaptador de três saídas de nossa fabricação, adquirido no mercado e submetido a ensaio pelo Inmetro segue um padrão comum a todos os adaptadores deste tipo que receberam uma denominação popular de Benjamim, seus pontos fracos e suas virtudes são comuns a todos os adaptadores deste tipo existentes no mercado. Nosso novo adaptador com três saídas atende a todos os requisitos das NBR 6147 e NBR 14936".

  • Fabricante M (Marca: M)

  •  

"Em resposta ao ofício encaminhado à empresa Pial Legrand, temos alguns pontos a elucidar. Lembramos que os produtos submetidos aos testes foram concebidos anteriormente à publicação da norma de adaptadores e seguem as especificações da portaria do Inmetro nº27, de 18/02/2000 até que entre em vigor a padronização brasileira de plugues e tomadas, conforme a norma NBR 14136. Pioneira na certificação de produtos no segmento de materiais elétricos e mantendo a sua postura de respeito ao consumidor, a Pial Legrand, com base nos resultados apresentados, esclarece que está verificando as não conformidades apontadas e, se confirmadas, serão tomadas as providências cabíveis".

  • Fabricante N. (Marca: N)

  •  

" Entendemos que a categoria em que esse produto se insere encontra-se em processo de normalização e que para nós isso servirá como referência para sua adequação às normas brasileiras e para a manutenção da satisfação dos usuários deste produto.

O produto Tri-tomada encontra-se em análise por nossa engenharia e as devidas alterações já estão em curso. Contudo, necessitamos de um tempo maior para a efetivação de tais medidas, por se tratar de alterações de relativa complexidade".

  • Fabricante H (Marca: H)

  •  

"Em resposta ao ofício encaminhado à empresa Lorenzetti Materiais Elétricos, esta empresa tem alguns pontos a esclarecer.

Lembramos que os produtos submetidos aos testes foram concebidos anteriormente à publicação da norma de adaptadores e seguem as especificações da portaria do Inmetro nº 27 de 18/02/2000 até que entre em vigor a padronização brasileira de plugues e tomadas, conforme a NBR 14136. Mantendo sua postura de respeito ao consumidor, a Lorenzetti, com base nos resultados apresentados, esclarece que está verificando as "não conformidades" apontadas e, se confirmadas, serão tomadas as devidas providências".

  • Fabricante D (Marca: D)

"Inicialmente, ressalto que através da Portaria nº 19, de 16 de janeiro de 2004, vigorará no Brasil o novo padrão de plugues e tomadas, conforme a padronização da NBR 14136 de 2000. Assim sendo, automaticamente o novo padrão de tomadas também será aplicado aos adaptadores, que serão contemplados pelos requisitos da NBR 14936 de 2003. Diante deste raciocínio, todos os adaptadores atualmente comercializados no mercado brasileiro obrigatoriamente passarão por uma reformulação de projeto, buscando a adaptação com o novo padrão de tomadas, no prazo estipulado pela Portaria nº19 de 2004, ou seja, 31 de dezembro de 2006. O projeto de adaptador padrão NBR 14936 da Enerbras está em fase de estudo, sendo o adaptador avaliado pelo Programa de Análise de Produtos retirado do mercado após a data de lançamento desse novo produto".

  • Fabricante L (Marca: L)

  •  

"Ao analisar os relatórios de ensaios, percebemos que o laboratório utilizou a norma brasileira de adaptadores NBR 14936, publicada em abril de 2003. Informamos que o nosso projeto, bem como os atuais projetos de Benjamim dos demais fabricantes existentes no mercado nacional estão de acordo com a Portaria Inmetro nº27, de 18 de fevereiro de 2000.

As não conformidades observadas pelo laboratório serão encontradas praticamente em todos os produtos comercializados em território nacional, pois estão adequados à Portaria 27. Informamos ainda que a obrigatoriedade da certificação do produto Benjamim foi retirada pelo Inmetro quando da publicação da Portaria nº 136 de 04 de outubro de 2001, parágrafo sexto, devido o conhecimento da não existência de uma norma específica para adaptadores.

Com o padrão brasileiro de tomadas concebido pela NBR 14163, todas as não conformidades, principalmente aquelas relacionadas à segurança do usuário serão completamente sanadas".

Inmetro: De acordo com o art. 39, VIII, do Código de Defesa do Consumidor “é vedado ao fornecedor de produtos e serviços colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas técnicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – Conmetro”.

Sendo assim, quando o fabricante coloca seu produto no mercado de consumo, deve estar certo de que este atende a normas e regulamentos técnicos vigentes. Portanto, não há que se falar em atendimento ao novo padrão se o padrão atual não é seguido. Neste sentido, os adaptadores devem atender ao padrão atual até a entrada do novo padrão , pois o não atendimento à norma vigente pode causar risco à segurança do consumidor.

 

Informações ao Consumidor

Novo padrão

Atualmente, todos os modelos de plugues e tomadas encontram-se inseridos na regra específica NIE-DINQP-051 do Inmetro. Para isso, é necessário que os mesmos atendam as especificações da norma NBR 6147.

Tendo em vista os inconvenientes da vasta gama de modelos que circulam no mercado, associado a aspectos de eficiência do dispositivo e segurança, está prevista a substituição dos modelos existentes pelo novo padrão brasileiro de plugues e tomadas descrito pela norma técnica NBR 14136, ou seja, o plugue passará a ter um modelo único.

Segundo a Portaria Inmetro n.º 019, de 16 de janeiro de 2004, considerando a necessidade do fabricante em adequar sua linha de produção e ferramental, são estipulados prazos para a entrada em vigor da compulsoriedade da norma:

- Primeira data: 31 de dezembro de 2006 - fabricantes e importadores de plugues e tomadas;

- Segunda data: 01 de agosto de 2007 - fabricantes e importadores de plugues e tomadas para uso em aparelhos elétricos e eletrônicos, também para manutenção e reposição;

- Terceira data: 31 de dezembro de 2008 Para Lojistas e varejistas, comercialização de plugues e tomadas.

- Quarta data: 31 de agosto de 2009: Para Lojistas e varejistas, comercialização de plugues e tomadas para uso em aparelhos elétricos e eletônicos, também para manutenção e reposição.

A NBR 14936, específica para adaptadores, mantém a maior parte de seus ensaios ligados a NBR 6147, entretanto não há compulsoriedade.

Cuidados na utilização

Antes de utilizar o seu benjamim, observe alguns cuidados :

  • Introduza-o em locais onde haja ventilação permanente;
  • Não o deixe perto de aparelhos que esquentam muito, como estufas, pois ele pode derreter com o calor excessivo ou contínuo;
  • Se estiver molhado, não chegue perto de aparelhos elétricos, você pode levar um choque;
  • Deixe crianças longe de benjamins e tomadas;
  • Seque bem as mãos antes de ligar uma tomada ou benjamim e nunca desligue um aparelho puxando pelo fio;
  • Proteja os fios desencapados.

Conclusões

De acordo com os resultados encontrados na análise realizada em amostras de Benjamins, podemos concluir que a tendência do produto comercializado no mercado nacional é de estar Não Conforme em relação aos requisitos normativos, já que todas as marcas analisadas não atenderam aos requisitos estabelecidos pelas normas técnicas utilizadas como documentos de referência para a realização dos ensaios.

Os ensaios de proteção contra choques elétricos, aquecimento e resistência ao calor, demonstraram que os benjamins vendidos no mercado de consumo não apresentam segurança ao consumidor, pelo contrário, derretem com o calor e propiciam aumento de chama de fogo.

Um dos objetivos do Programa de Análise de Produtos consiste em promover, junto com o setor produtivo, a melhoria da qualidade dos produtos e, conseqüentemente, aumentar a competitividade da indústria nacional. Diante disso, o Inmetro, levando em consideração os resultados obtidos, enviará os resultados ao Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor – DPDC, para que sejam tomadas as medidas cabíveis. Além disto, estudará a conveniência de remeter este produto para o Plano de Ação Quadrienal do Programa Brasileiro de Avaliação da Conformidade – PBAC, a depender das conclusões da reunião que será agendada com as partes interessadas, ou seja, e agendará reunião com os fabricantes que tiveram amostras de seus produtos analisadas, o laboratório responsável pelos ensaios, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e entidades representativas do setor produtivo e dos consumidores, para que se discutam ações de melhoria da qualidade.

Divulgação

DATA

AÇÕES

30/10/2005

Divulgação no Programa Fantástico – Rede Globo de Televisão


 


Nossos Endereços

  • Rio de Janeiro
    PABX: (21) 2563-2800
    Rua Santa Alexandrina, 416
    Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ
    CEP: 20261-232

  • Campus Xerém
    PABX: (21) 2679-9001
    Av. Nossa Senhora das Graças, 50
    Xerém - Duque de Caxias - RJ
    CEP: 25250-020

  • Superintendência de Goiás - Surgo
    PABX: (62) 3237-3500
    Rua 148, s/n
    Setor Sul - Goiânia - GO
    CEP: 74170-110

  • Superintendência do R. G. do Sul - Surrs
    PABX: (51) 3342-1155
    Av. Berlim, 627
    São Geraldo - Porto Alegre - RS
    CEP: 90240-581

  • Brasília
    PABX: (61) 3340-1710
    Setor de Indústrias Gráficas - Quadra 1, lote 985, 1º andar, Edifício Centro Empresarial Parque Brasília
    Brasília - DF
    CEP: 70610-410

Inmetro © 1993 - 2012. Todos os direitos reservados. Ícones de mídias sociais feitos por SimpleIcon from www.flaticon.com licenciado por CC 3.0 BY